sexta-feira, 30 de julho de 2010

Dossiê ColorScreen: Pernalonga 70 Anos - parte 1!

Pernalonga. Um ícone da cultura pop. Esse é um bom jeito de definir a importância do coelho símbolo dos universo a que pertence, os Looney Tunes e também símbolo da empresa que representa, a Warner Bros. Escolhido pela conceituada revista norte-americana TV Guide como o "maior personagem animado de todos os tempos", o personagem completou 70 anos nesta semana! Portanto, nada mais merececido do que conhecermos um pouco de tudo que o personagem fez ao longo do tempo! A seguir, a primeira parte (de duas) do Dossiê ColorScreen, com as sete décadas de história de Pernalonga!

(Atenção: como a trajetória do personagem é muito extensa, dividi o Dossiê em duas partes, essa é a primeira, com as origens e as primeiras décadas do personagem! Veja a continuação clicando aqui).

No final dos anos 30, a animação estava em alta. Era a chamada "Era de Ouro", onde personagens clássicos como Mickey Mouse, Gato Félix e Popeye surgiram e se tornaram enormes sucessos nas telas dos cinemas, geralmente sendo exibidos antes do filme principal. Então, a Warner Bros. também passou a investir nessa área. Em 1938, pelas mãos do genial Tex Avery (um dos maiores criadores de animação de todos os tempos, pai também de Patolino, Droopy, Picolino, Hortelino Troca-Letras e muitos outros), nascia Happy Rabbit, um coelho branco, com personalidade maluca, praticamente com as mesmas características de Patolino (criado um ano antes). Ao lado, você vê o visual do personagem.

Happy Rabbit apareceu em alguns poucos desenhos nos anos de 1938 e 1939, tendo sua criação influenciada pelo coelho Max Hare (foto ao lado), criação dos Estúdios Disney e protagonista de alguns curtas da série "Silly Symphonies" (um dos desenhos que ele participa é aquele que sempre passava na TV por aqui, em que o coelho compete com uma tartaruga em provas esportivas). O personagem logo ganhou a voz de Mel Blanc, lenda da dublagem norte-americana, que dublou Pernalonga (e a maioria dos Looney Tunes) por cinco décadas. A voz feita por Blanc era uma mistura dos sotaques dos bairros nova-iorquinos do Bronx e do Brooklyn.Uma curiosidade: no começo, o coelho tinha uma risada repetitiva e irritante, que acabou sendo transferida para o Pica-Pau, personagem que o artista também dublou, alguns anos depois.

Com o tempo, o design e a personalidade do personagem foi alterada; Pernalonga se tornou mais sarcástico e irônico, porém seu visual foi amenizado, se tornando mais meigo e menos amalucado. Uma das fontes de inspiração foi o ator e diretor de cinema Groucho Marx, daonde tirou o jeito ácido e também a forma de segurar a cenoura, tal qual Groucho segurava seu famoso charuto. Seu nome foi modificado para Bugs Bunny, como homenagem a um dos artistas que trabalhou em seu novo visual, Ben "Bugs" Hardaway. Então, em 27 de julho de 1940, o personagem estreava de maneira oficial, ao lado de Hortelino, que seria um dos seus mais famosos antagonistas, na ânsia de caçar o "toelhinho". Era o curta "A Caçada Maluca"/"A Wild Hare", onde o personagem também falaria pela primeira vez o seu mais famoso bordão: "Que que há, velhinho?" ("What's Up, Doc?"). Acompanhe a animação abaixo:



Com o enorme sucesso desta animação, os diretores do setor de animação da Warner Bros. resolveram transformar o coelho em personagem fixo dos curtas do estúdio. Logo a Segunda Guerra Mundial tomaria as atenções do mundo, e esse acontecimento acabou servindo como trampolim para o estrelato para vários personagens de animação, que cumpriam um valoroso dever: distrair o povo norte-americano, desviando um pouco o foco do clima de guerra, e elevando a moral da população. Em certos episódios, o coelho (assim como diversos outros personagens da época) era mostrado enfrentando soldados nazistas e japoneses e desmoralizando figuras inimigas, como o próprio Hitler. Esse é o caso de "Herr Mets Hare", desenho de 1945, onde Pernalonga engana um soldado nazista, se passando por Hitler, e acaba encontrando o próprio comandante do Eixo, além de se passar por Joseph Stalin. Esse curta, raro de se encontrar, você assiste a seguir:



Em seus diversos curtas, sempre ao lado de personagens como Hortelino, Eufrazino Puxa-Briga, Patolino, Marvin o Marciano, Gaguinho e muitas outras figuras clássicas do universo animado da Warner Bros. Um dos seus filmes mais aclamados é "O Que é Ópera, Velhinho?"/ "What's Opera, Doc?", de 1957. Nesta paródia da ópera "O Anel dos Nibelungos", de Wagner, Hortelino encarna o semi-deus Siegrfied, se apaixonando pela versão de Pernalonga travestido como Brünnhilde.

Esta produção alcançou um status nunca antes obtido por uma obra dessa mídia, sendo o primeiro desenho a ser considerado "significante culturalmente" pela Biblioteca do Congresso Norte-Americano e escolhido para ser preservado no Registro Nacional de Cinema, entidade daquele país que preserva obras importantes para a identidade cultural da população. Para assistir o curta, em versão com alta qualidade, clique aqui!

Em 1960, os cartoons do coelho migraram para a televisão, quando a emissora ABC adquiriu os direitos de dezenas de animações produzidas para cinema e passou a exibí-las, no programa "The Bugs Bunny Show", que durou 40 anos na grade do canal, passando por inúmeras variações de horário, título e formato, mas sempre com os curtas do astro. Com isso, o personagem subiu o degrau definitivo para se tornar um dos maiores ícones da história da animação.

No próximo post, a continuação do Dossiê ColorCreen - Pernalonga 70 anos, com as mais recentes aparições do personagem, as diversas incursões do coelho no cinema, a sua carreira nas últimas décadas, seu primeiro encontro com Mickey Mouse, a nova série do coelho e dos Looney Tunes que estréia ainda em 2010 e mostrará os personagens de maneira diferente e muito mais! Para conferir, clique aqui!

Eu sempre gostei muito do Pernalonga. Talvez não ache o coelho o melhor personagem de todos os tempos, mas certamente um dos melhores! E você? Gosta do personagem?

Que tal compartilhar isso comentando? E também visitando o ColorScreen no Twitter!

6 comentários

Leonardo Cruz 1 de agosto de 2010 05:56  

Ótimo post Paulo, de qualidade como sempre!

Cara, eu sempre curti bastante o Pernalonga, talvez quando criança eu preferisse outros personagens, mas depois de mais velho e voltando a ver alguns desenhos, nossa, que personalidade! muito bom.

Vale lembrar a dublagem do Pernalonga no Brasil que ficou também genial, não devendo nada a americana.

Britto 1 de agosto de 2010 14:29  

Muito bom!
Apesar de preferir Mickey & Donald, gostava muito das animações em que o coelho aparecia rivalizando com Patolino...
No aguardo da segunda parte!

Paulo Almeida Prado 1 de agosto de 2010 19:34  

Leonardo, pois é!

O Pernalonga nunca foi o meu personagem preferido, mas depois de velho, eu passei a gostar ainda mais, a personalidade dele é bem única mesmo!

Valeu pelo comentário!

Paulo Almeida Prado 1 de agosto de 2010 19:35  

Britto,
idem! Eu também prefiro o Mickey e o Donald, mas a dupla Pernalonga e Patolino também é muito boa!

Obrigado pelo comentário!

Jonatas 3 de agosto de 2010 21:55  

Excelente Dossiê, um dos meus personagens preferidos!

Fazendo um adendo sobre o pernalonga na Segunda Guerra, a RAF (Aeronáutica do Reino Unido) usou o Pernalonga como mascote durante a guerra, pois havia um mito de que os pilotos ingleses enxergavam melhor porque comiam bastante cenoura, porém, a verdade é que eles foram os primeiros a usarem radares embutidos no avião, que os permitia ver a presença do inimigo a grandes distâncias. (pelo menos é o que eu lembro disso aí, talvez tenha confundido alguns fatos)

Paulo Almeida Prado 3 de agosto de 2010 22:31  

Jonatas,

boa lembrança, é bem interessante notar o uso de personagens em ocasiões como essa!

Muito obrigado pelo comentário!

Related Posts with Thumbnails

  © Free Blogger Templates Spain by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP