sábado, 15 de dezembro de 2012

Promoção ColorScreen - Astronauta Magnetar!

Chegamos ao fim de mais um ano aqui no blog! E, para celebrar mais esta passagem, eu pensei em diversas maneiras. Até que cheguei a conclusão de que seria legal presentear alguém que acompanhe nosso conteúdo. Pensando em um presente para um leitor (ou leitora, claro!), escolhi uma das graphic novels mais elogiadas dos últimos tempos, que será sorteada aqui! A seguir, saiba tudo sobre a Promoção ColorScreen - Astronauta Magnetar!

Para começar, vamos falar um pouco sobre a publicação. A obra é a edição inaugural do selo Graphic MSP, iniciativa dos Estúdios de Mauricio de Sousa, que traz uma nova visão para os clássicos personagens do quadrinista. Com temáticas mais adultas e estilos diferenciados, os álbuns serão produzidos por artistas convidados, que trarão uma maneira inédita de enxergar estas figuras tão queridas.

E, para começar, a empresa escolheu o Astronauta. Produzida pela brilhante dupla Danilo Beyruth (roteiro e arte) e Cris Peter (cores), a obra se aprofunda como nunca visto antes nas aventuras e também nos sentimentos do explorador. Rumando pelo amplo espaço sideral, sozinho em sua nave, sua vida está prestes a mudar. A ocorrência de um magnetar, um fenômeno único, vai colocar toda sua existência em questão, fazendo com que o herói passe pelo dilema mais complicado de sua história.

Eu já li a história e gostei bastante. Por isso (e por ter tudo a ver com o ColorScreen, afinal a Turma da Mônica é um dos pilares de nossa cultura pop), resolvi sortear um exemplar para quem acompanha nosso blog!

Para participar, você deve acessar a nossa fanpage no Facebook e seguir os passos lá explicados, clicando na imagem abaixo:


O sorteio será feito no dia 15 de janeiro, através do aplicativo de promoções presente em nossa fanpage. O sorteado (a) será notificado em seu perfil. 

Se você não ganhar a promoção, eu recomendo muito que compre a publicação (uma das lojas onde você pode encontrá-la é esta). O preço é bastante justo e a qualidade é excelente! Além disso, é muito bom ver nossa indústria de quadrinhos se propondo a tentar algo novo, feito com a qualidade de álbuns internacionais. Comprando, ajudamos no sucesso desta interessante iniciativa.

(Atenção: ao contrários de outros artigos similares já publicados por aqui, este post não é um publieditorial. Não estou recebendo para elogiar a graphic novel. Gostei tanto que resolvi comprar um exemplar especialmente para o sorteio.)

Obrigado por passar mais um ano junto com o ColorScreen! Tudo de bom para você, que acompanha o nosso blog! Este espaço é feito para que todos nós possamos compartilhar lembranças de épocas felizes! Muitas felicidades e alegrias, agora e sempre! E boa sorte!
 

Read more...

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Dossiê ColorScreen: a era da revista Herói - parte 02!


No post anterior, começamos a falar sobre uma publicação que surpreendeu crianças, jovens e adultos na década de noventa, tratando assuntos da cultura pop de uma maneira inédita. Na sequência, vamos explorar mais este tema.  A seguir, a segunda parte do Dossiê ColorScreen: Herói, a revista que marcou os anos 90!

Atenção: este post é a segunda parte do Dossiê Herói. Confira a primeira parte, com o auge da revista, um interessante comercial de TV e muito mais, clicando aqui!

Sendo renomeada para "Herói Gold!", a nova versão mantinha o preço, com maior conteúdo, melhor papel, brindes e etc, com uma tiragem imensa (de 250 mil a 350 mil por semana). Na mesma época, também foram criadas variações da original, focadas em temas também de interesse do público, mas mais específicos, como jogos, heróis, vilões e música.

Confira a seguir um raro vídeo da época: na reportagem, feita pelo programa "Vitrine", da TV Cultura, você pode conhecer a redação da publicação e os bastidores da criação da Herói! Veja:




Porém, dois anos mais tarde, começaria a decadência. Em várias mudanças, a revista acabou se perdendo e foi cancelada em 1998. Um ano mais tarde, com uma nova equipe e editora, surgiria a "Herói 2000". Apesar da qualidade, com melhor editoração, layout, formato, a publicação acabou logo sendo soterrada pela já feroz internet. Em 2006, aconteceu mais uma tentativa, novamente sem sucesso.
 
Hoje, existe o site de mesmo nome, que é um desdobramento conduzido por alguns dos integrantes da equipe original. E, claro, a Herói continua na lembrança de todos que se interessavam por cultura pop na década de 90!

Para terminar, o principal! Um presente para você relembrar os bons tempos. Na imagem abaixo, você encontra um link para baixar as dez primeiras edições da revista


 A seguir, confira os destaques de cada edição (como Cavaleiros do Zodíaco é hour concours, aparecendo em todos os exemplares, não citarei a animação):

01 - Tokusatus, Wolverine, Spawn e Batman
02 - Power Rangers, O Máskara, Coringa e Winspector
03 - Superman, Lobo, Ultraseven e SeaQuest
04 - Demolidor, Mortal Kombat - O Filme, Magneto e Ultraman
05 - X-Men, Musas dos Quadrinhos, Frankenstein e Riquinho
06 - John Byrne, Games, The Tick e Doutor Destino
07 - Street Fighter - O Filme, Venon, Stallone e Novos Titãs
08 - CyberForce, Darkseid, Justiceiro e Cyborg - O Homem de Seis Milhões de Dólares
09 - Capitão Marvel, Conan, Arquivo X e Star Trek - Voyager
10 - Power Rangers, Robô Gigante, Kamen Raider e Patrulha Estelar


Eu me lembro bem da Herói. Foi com ela que descobri várias coisas até então inimagináveis. Um bom exemplo foi o fato de que Power Rangers, na verdade, era uma adaptação do sentai japonês Zyuranger. O que hoje qualquer um sabe e pode ter acesso a mais detalhes, na época era quase um grande segredo. Como vários que só essa revista nos revelava! E você? Gostava da publicação? Quais são suas lembranças sobre o tema?

Algum palpite, elogio, crítica, sugestão? Então, já sabe! Dê o seu recado nos comentários e também no nosso espaço no Facebook, que conta com conteúdo inédito e exclusivo sobre nostalgia! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:

Read more...

sábado, 17 de novembro de 2012

Dossiê ColorScreen: a era da revista Herói - parte 01!

Na época em que a internet ainda engatinhava, os nerds sofriam para ter acesso a informações sobre seus passatempos preferidos. Como se informar sobre as novidades do cinema? As animações mais recentes, os seriados que estavam chegando? Dessa necessidade surgiu uma publicação que deixaria saudade. A seguir, no Dossiê ColorScreen: Herói, a revista que marcou os anos 90!

Atenção: este post é a primeira parte do Dossiê Herói. Confira a segunda parte, com as novas versões da revista, um vídeo muito interessante e uma grande surpresa clicando aqui!
 
Tudo começou no ano de 1994, quando dois dos maiores ícones da década chegavam ao Brasil. Na Rede Manchete, os Cavaleiros do Zodíaco viriam para se firmar como o maior anime da nossa história, em termos de popularidade. Já no canal pago Fox (no então bloco Fox Kids, que tempos mais tarde viraria o canal, agora extinto) e meses mais tarde na Rede Globo, Zordon convocava os Power Rangers, que, como os protegidos de Atena, também marcariam época.

Com isso, a editora Acme (atual Conrad), lançaria um períodico semanal, trazendo mais sobre a cultura nerd. Vendida a R$ 1,95 (o que parece pouco, mas hoje em dia corresponderia a aproximadamente R$ 9,50), a revista trazia o foco para produtos de mídia até então pouco explorados. Falando de games, quadrinhos, séries novas e antigas, animação e filmes, logo a Herói se transformou em um sucesso das bancas.

Então, em um momento onde todo o foco das camadas mais jovens estava voltada para temas nerds, é claro que a publicação deu certo, chegando a superar a vendagem de periódicos como "Veja" e "Caras." Gerando clones rapidamente, como a "Heróis do Futuro", a publicação venderia milhares de exemplares mensalmente, sendo pauta para discussões de crianças, jovens e aficionados por cultura pop em geral.

Como consequência do grande êxito, as coisas ainda iriam melhorar bastante! A partir do número 24, a revista se transformaria...

Para finalizar a primeira parte, confira uma interessante propaganda da época, veiculada na Rede Manchete:
No próximo post, conheça a nova versão da Herói, acompanhe a decadência, os diversos relançamentos da publicação e um vídeo muito especial, além de uma grande surpresa para os fãs! Confira clicando aqui!

Algum palpite, elogio, crítica, sugestão? Então, já sabe! Dê o seu recado nos comentários e também no nosso espaço no Facebook, que conta com conteúdo inédito e exclusivo sobre nostalgia! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:

Algum palpite, elogio, crítica, sugestão? Então, já sabe! Dê o seu recado nos comentários e também no nosso espaço no Facebook, que conta com conteúdo inédito e exclusivo sobre nostalgia! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:



Material retirado do blog ColorScreen ColorScreen - Conteúdo diferenciado em Nostalgia e Cultura Pop! http://colorscreen.blogspot.com/#ixzz2CLI9Miif

Read more...

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Carrossel: descubra os maiores segredos da novela!

Existe uma geração (a minha, de quem foi criança nos anos 90), que ficou profundamente marcada por alguns nomes: Helena, Maria Joaquina, Cirilo, Carmen, Jaime, Valéria, Davi, Firmino, Rabito e muitos outros. E agora, vinte anos depois, estas mesmas figuras fazem parte da infância de uma nova leva de fãs. Homenageando uma das maiores novelas infantis da história, se divirta a seguir, no Top ColorScreen: os maiores segredos de Carrossel!

Antes de mais nada, uma pequena retrospectiva: em 1991, a produção mexicana (filmada dois anos antes) foi oferecida para a Rede Globo, que recusou a compra. Então, o SBT fechou contrato, comprando o produto por U$ 200 mil. No dia 20 de maio, a trama estreava. Como se sabe, aí começava o maior fenômeno da teledramaturgia da emissora de Silvio Santos, chegando bem perto de superar os índices do "Jornal Nacional" e da novela global "O Dono do Mundo". O canal mexicano ainda produziu duas novas versões, em 1992 ("Carrossel das Américas, exibida no Brasil quatro anos mais tarde) e em 2002 ("Viva às Crianças! - Carrossel 2", transmitida por aqui no ano seguinte). No último mês de maio, o SBT estreou seu próprio remake, que também vendo tendo ótimos índices de audiência, retomando a vice-liderança no horário para a rede.

Agora, conheça algumas curiosidades sobre este clássico!Vamos lá?

- A novela não é mexicana e foi criada nos anos 40: pois é. Talvez isto seja uma das maiores revelações para os fãs da trama. Ao contrário do que todos pensam, a versão mexicana, produzida pela Televisa em 1989, não é a original. Na verdade, a trama se originou nos anos 40, em contos publicados pelo dramaturgo Abel Santa Cruz. Nos anos 60, a história da professora Jacinta Pichimahuida (isso mesmo!) se espalharam pela mídia argentina, na forma de radionovela, telenovela e seriado de TV. Nas duas décadas seguinte, a história virou dois filmes, mais uma novela e também gibis, todos produzidos na Argentina. Só anos mais tarde, no final dos anos 80, é que surgiria a nova adaptação para TV, comprada pelo SBT e exibida por aqui a partir de 1991. E ainda existiram os dois remakes da Televisa, citados acima.

A seguir, veja uma comparação de algumas das principais adaptações (cada uma tem seu nome e ano de produção indicada no vídeo:



- A professora não se chamava Helena: outro dos fatos mais inusitados. Como já comentamos anteriormente, nas primeiras adaptações, a mestra era chamada de Jacinta. Já na versão mexicana, ao contrário do que todos pensam, o nome da docente interpretada por Gabriela Rivero também não é Helena. Esta foi uma tradução de nossa dublagem. Porém, em espanhol, a personagem se chama Ximena. Isso mesmo, o nome da figura tão amada pelas crianças era bem diferente! Neste caso, a adaptação brasileira melhorou o que veio do México.

- A música tema não existia: outra invenção do SBT! No México, o clássico tema de abertura não existia. A novela era introduzida com uma música instrumental, que chegou a ser exibida também no Brasil. Porém, o que marcou mesmo por aqui foi a canção "Carro Céu" (aquela com o refrão "Embarque neste carrossel..."). E sim, o nome da música era este mesmo. A canção era interpretada pelo grupo "Super Feliz", quarteto composto por quatro palhaços, entre eles Marcos Pajé, um dos intérpretes de Bozo. Na sequência, relembre os artistas, em apresentação no "Clube do Bolinha", em 1991. Veja esta raridade abaixo:



- Vários atores foram trocados: uma das maiores reclamações dos fãs mais atentos. Durante a trama, alguns atores foram trocados. Uma foi a mãe de Maria Joaquina que, em certo momento, passou a ser interpretada por uma nova atriz. O outro foi o zelador Firmino. E ah, o animal que representava Rabito, cachorro de Mário Ayala, também foi trocado ao longo da produção!

- A atual não é a primeira versão do SBT: no auge da primeira exibição a emissora criou um grupo cover. Com o enorme sucesso da novela, a atriz Gabriela Rivero se tornou figura frequente em nosso país, tendo participado de programas na emissora de Silvio, descido a rampa do planalto ao lado do presidente Collor e participado de comerciais. Então, para acompanhar a atriz em suas aparições, o SBT promoveu um concurso no qual escolheu uma turma de crianças para imitar os atores originais. Caracterizados como os personagens, eles sempre estavam presentes ao lado da Professora Helena em suas aparições públicas. Infelizmente, não existe material disponível sobre isso em vídeo. A seguir, veja a única foto disponível do grupo:

Eu, sinceramente, fico bem feliz com o sucesso da nova versão da novela. Além de ser bem interessante ver a atenção das crianças voltada novamente para programas infantis, sem maldade e apelação, também é muito legal ver o ressurgimento de um clássico, mesmo que em uma roupagem atual (que, no caso, respeita a anterior). E ah, eu gostaria de agrader o Hamilton Kuniochi, do blog O Baú do Silvio, pela ajuda na pesquisa.

Algum palpite, elogio, crítica, sugestão? Então, já sabe! Dê o seu recado nos comentários e também no nosso espaço no Facebook, que conta com conteúdo inédito e exclusivo sobre nostalgia! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:

Read more...

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

As 50 coisas que aprendi com os super-heróis!

Clark Kent, Bruce Wayne, Peter Parker, Tony Stark, Barry Allen, Diana Prince, Bruce Banner, Charles Xavier, Dick Grayson, Hal Jordan, Steve Rogers, Logan. Estes são apenas alguns de inúmeros nomes que marcaram a vida de milhões de pessoas ao redor do mundo. É claro, estou falando de personagens que, ao longo de décadas, alimentaram sonhos de crianças e adultos. Como mais um grande fã de quadrinhos, resolvi fazer uma homenagem a estas figuras; acompanhe a seguir a nossa lista, com as 50 coisas que aprendi com os super-heróis!


Vamos lá?

AS 50 COISAS QUE APRENDI COM OS SUPER-HERÓIS!

01. Um par de óculos é o melhor disfarce possível.

02. Cientistas que trabalham com radiação costumam ser nervosos.

03.
Homens podem falar com peixes.

04.
Uma boa maneira de voar é girando um martelo.

05. Ricos industriais gostam de se disfarçar de duende.

06. Mansões não têm porão, têm cavernas.

07. A melhor máquina da verdade existente é um laço.

08. O surfe também pode ser praticado no espaço.

09. Não há nada mais resistente do que calças roxas.

10. Morcegos podem se apaixonar por gatas.

11. Jatos podem ser invisíveis.

12. Ditadores do Europa Oriental também atuam como super-vilões.

13. O único sobrevivente de seu planeta tem uma prima.

14. Usar um uniforme preto automaticamente torna uma pessoa má.

15. Amendoins podem transformar cachorros em heróis.

16. Se gritarem da maneira correta, meninos podem virar super-heróis.

17. Marcianos adoram bolachas recheadas.

18. Insetos radioativos fornecem super poderes em troca de uma picada.

19. Podemos voltar no tempo girando a Terra ao contrário.

20. Todo cientista é louco e quer conquistar o mundo.

21. Um beijo de uma menina pode sugar toda a energia de um ser humano.

22. Arqueiros preferem combater o crime a participar dos Jogos Olímpicos.

23. Smileys também sangram.

24. Homens azuis costumam andar sem roupa.

25. Todo bilionário tem uma identidade secreta.

26. Supercomputadores podem assumir feições humanas.

27. Reinos mitológicos tem pontes feitas com arco-íris.

28. Monstros verdes têm fixação por esmagamentos.

29. Velocistas usam panelas ao invés de capacetes.

30. Brinquedos podem se tornar armas letais.

31. A substância mais letal do mundo é o gás do riso.

32. Um anel pode fabricar qualquer outro objeto.

33. Homens podem ser feitos de areia, gelo, pedra, borracha ou fogo.

34. Trapezistas são alvo constante da máfia.

35. Gritos podem fazer uma pessoa voar.

36. Cartas de baralho podem ser mortais.

37. Palhaços são mesmo psicopatas.

38. Soros do governo equivalem a décadas de academia.

39. Mulheres moldadas em barro são quase indestrutíveis.

40. Motoqueiros têm cabeças quentes.

41. Lobos são fãs de golfinhos.

42. Super-heróis podem ter medo de madeira.

43. Uma minhoca pode ser o maior vilão do mundo.

44. Princesas gregas se vestem com as cores dos Estados Unidos.

45. Donos de jornais não gostam de aranhas.

46. Pinguins usam cartolas.

47. Quando uma mulher se torna invisível, suas roupas também somem.

48. Em um casal de gêmeos, a mulher vira qualquer animal. O homem, pedras de gelo.

49. Um cinto pode levar todos os apetrechos do mundo.

50.O melhor lugar para um herói se trocar é uma cabine telefônica.

***
As outras listas de "50 coisas" que fiz, bateram o recorde de reproduções em outros sites, muitas sem o devido crédito. Se você quiser reproduzir a lista em seu blog, tudo bem! Mas por favor, dê o crédito ao ColorScreen, colocando nosso link! Muito obrigado!

Por fim, um pedido: se você gosta do conteúdo, ajude a divulgar! Se puder, mande este post para alguém que ainda não conhece este espaço; acho que esta é uma boa maneira de apresentar o blog para pessoas novas! Obrigado!

Algum palpite, elogio, crítica, sugestão? Então, já sabe! Dê o seu recado nos comentários e também no nosso espaço no Facebook! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:


Read more...

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Chico Anysio e seu show de stand-up na íntegra!

Ao contrário do que muita gente pensa, a arte da comédia em pé não chegou ao Brasil apenas recentemente. Já na metade do século passado, muitos artistas se arriscavam neste estilo. A seguir, homenageando o saudoso comediante, acompanhe a apresentação de Chico Anysio e seu show de stand-up!

Nos anos 70, o humorista já se destacava na Rede Globo, com o grande sucesso "Chico Anysio Show". Mesmo assim, como fez durante toda sua extensa carreira, ele continuava se apresentando em teatros de todo o Brasil. Nos shows, Chico demonstrava seu talento para o humor, sem cair na baixaria ou na apelação. Além disso, ele fugia um pouco de sua principal característica, deixando de encarnar personagens, fazer vozes ou trejeitos e usar caracterizações, seguindo as regras deste estilo de comédia norte-americana.

Na temporada de 1975/76, o artista esteve em cartaz com o show "Seu Moço", escrito em parceria com o também saudoso Arnaud Rodrigues (com o qual desenvolveu vários trabalhos, como na marcante dupla "Baiano e os Novos Caetanos", vista na imagem ao lado). O sucesso da turnê foi tão grande que acabou rendendo um registro em LP, com o show em sua totalidade. E é este espetáculo que você poderá acompanhar a seguir, de maneira completa!

Atenção: como é de se esperar, existem piadas com temática que, hoje em dia, pode soar controversa. Porém, este é o retrato de uma época específica, já diferente dos dias atuais.

Se divirta ouvindo o show na íntegra, em um áudio de aproximadamente 50 minutos! É só dar play:



Eu já tinha lido bastante sobre, mas nunca tinha tido a chance de acompanhar os shows de stand-up de Chico Anysio. E, mesmo décadas depois, podemos constatar que seu talento era algo raro. E você? Gostou do espetáculo?

Compartilhe, nos comentários e também em nosso espaço no Facebook! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:

Read more...

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Playcenter: reviva as emoções pela última vez!

Durante muitos e muitos anos, havia um lugar no qual a diversão nunca acabaria. Sonho de crianças, adolescentes e adultos, este local seria o espaço definitivo para os bons momentos, um recinto no qual a infância seria resgatada através de muito riso e felicidade. Porém, o passaporte da alegria expirou. Com o fim do mais marcante parque da história de nosso país, fica aqui a saudade. Volte aos bons tempos com a nossa homenagem ao Playcenter!

A idéia de trazer o empreendimento para a cidade de São Paulo surgiu no início dos anos 70, quando um grupo de empresários constatou a carência deste setor. Então, em 27 de julho de 1973, era inaugurado o espaço, que obteria sucesso imediato, se tornando uma das maiores atrações da capital paulista e recebendo visitantes de todos os estados brasileiros e também de países vizinhos.

Nos anos 80, o parque começou a investir em novidades, como brinquedos cada vez mais modernos e radicais, muitos dos quais chegavam ao Brasil pela primeira vez. No final da década, surgia o evento que seria marcante para milhões de visitantes: as famosas Noites do Terror, período no qual o recinto era decorado com tal tema e dominado por monstros e personagens clássicos do horror. Este seria o auge da atração, virando sinônimo de diversão familiar e sonho de férias das crianças de todo o Brasil.

Podemos citar, como mais lembrados pelos fãs, os seguintes brinquedos/atrações: Looping Star, Barca Viking, Boomerang, Castelo dos Horrores, Evolution, Monga - A Mulher Gorila, Turbo Drop, Colosso, Splash e Tornado, entre muitos outros, além de shows com os principais artistas infanto-juvenis (só para citar dois ícones: Bozo e Menudo foram responsáveis por algumas das maiores lotações da história do recinto).

Nos anos 90, o espaço tentou se reinventar, aplicando conceitos educativos a algumas atrações, o que começaria a descaracterizar o parque. Nos anos 2000, após diversas crises, o empreendimento teve investimentos pífios, perdendo muitos de seus principais brinquedos e boa parte de seu terreno, o que acabou espantando o, até então constante, público visitante.

Sem conseguir sair da crise, o Playcenter acaba de se despedir do público, tendo fechado suas portas no último domingo. Contando com promessas de voltar em alguns anos, remodelado e voltado para as crianças de idade pré-escolar, sem brinquedos radicais e atrações emocionantes, o parque marcou época e cativou milhões de crianças e adultos de todas as partes do país.

Mas não vamos desanimar! A seguir, uma surpresa para você! O vídeo que você verá na sequência é um retrato da época de ouro do Playcenter, quando o lugar contava com inúmeras atrações marcantes, como o show do golfinho Flipper e baleias, ao melhor estilo Sea World. O mini documentário institucional retrata um dia típico da empresa; a peça foi produzida em 1986 e era distribuída com o VHS da animação "Turma da Mônica: A Princesa e o Robô".

Viaje no tempo e se emocione:



Como sou um entusiasta do mercado de diversão e espetáculos, acho uma pena o destino do parque. Fiquei realmente triste com este fato e, na minha opinião, São Paulo (e o Brasil todo) perde um ícone indelével de nossas memórias.

E você? Quais são suas memórias do Playcenter? Compartilhe, nos comentários e também em nosso espaço no Facebook! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:

Read more...

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Chiquititas 15 anos: as músicas inesquecíveis!

Um dos maiores sucessos da história de nossa teledramaturgia infantil. Assim podemos definir a trama exibida pelo SBT, a partir de julho de 1997. Para comemorar este marco, a seguir o especial Chiquititas 15 anos: as músicas inesquecíveis!

Em televisão, uma das principais maneiras de fidelizar o telespectador consiste na exibição de novelas diárias. E um dos públicos mais fiéis reside nas crianças. Foi com a mistura destas duas características que surgiu o assunto de nosso post. Derivada da original argentina, produzida pela Telefe, a versão brasileira foi escrita pela criadora da franquia, Cris Morena, fez enorme sucesso ao longo de cinco temporadas e lançou para o estrelato diversos novos nomes.

No elenco da primeira fase, podemos destacar, no elenco adulto, Flávia Monteiro (Carolina), Alex Benn (José Ricardo Jr.), Débora Olivieri (Carmen), Gésio Amadeu (Chico) e Magali Biff (Ernestina).

E claro, os astros da trama, as crianças! As meninas: Fernanda Souza (Mili), Aretha Oliveira (Pata), Francis Helena (Cris), Renata Del Bianco (Vivi), Gisele Frade (Bia), Ana Olivia Seripieri (Tati), Beatriz Botelho (Ana), Gisele Medeiros (Dani) e Carla Diaz (Maria).

E os meninos: Pierre Bittencourt (Mosca), Paulo Nigro (Júlio), Luan Ferreira (Binho), Felipe Chammas (Rafa) e Bruno de Andrade (Mathias).

Agora, o principal: a lista! Atenção: neste post, só vamos relembrar músicas da primeira temporada. Vamos lá?

Para começar, provavelmente a música mais famosa de toda a novela! Claro, estou falando de "Remexe", usada na abertura da primeira fase, tornando-se símbolo da história. Gravado nas ruas de São Paulo, o clipe marcou época e, até hoje, é lembrado pelos fãs. Veja na íntegra a seguir (vale lembrar que a versão exibida na novela era editada, durando menos tempo que o vídeo abaixo):



Seguindo, vamos relembrar "Berlinda". Já com a adição dos integrantes masculinos do elenco, a letra falava sobre beijos e namoros entre os moradores do orfanato Raio de Luz, de uma maneira nada apelativa. Tudo isso enquanto os personagens se divertiam em um acampamento de férias. Relembre:



Como você já deve ter imaginado, agora chegou a vez de se emocionar. Mas quem não chorou com "Mentirinhas"? A canção mostrava a história da personagem Tati, relembrando cenas vividas ao lado de seus saudosos pais. Marcada na memória dos telespectadores como um verdadeiro clássico das lágrimas:



Como toda boa novela infantil, os capítulos eram repletos de mensagens construtivas, mostrando que, mesmo passando por dificuldades, a vida vale a pena. E esse era o mote de 'Tudo, Tudo", vídeo gravado nos jardins do Museu do Ipiranga, na capital paulista. Atenção: o clipe postado a seguir é o original, da 1ª temporada, apesar de contar com a introdução de Carolina (Flávia Monteiro), gravada no segundo ano. Acompanhe a seguir:



Para finalizar a primeira parte, outro clássico da primeira fase. Esta música mostrava que a vida das orfãs não era só diversão, mas também tinha um lado mais difícil. E elas desabafavam: bruxa, fedida, tomara que tê dor de barriga! Na sequência, "Sinais":



Eu acompanhei os primeiros anos da novela e lembro muito bem da febre "Chiquititas". E você? Era fã? Gostava das músicas? Comente!

Confira o nosso espaço no Facebook! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:


Read more...

terça-feira, 3 de julho de 2012

Descubra os maiores segredos do Xou da Xuxa!

Um dos elementos mais clássicos da história dos programas intantis, a nave da Rainha dos Baixinhos encantou crianças ao longo dos anos. Por muito tempo, milhões de pequenos fãs sonharam em embarcar neste veículo, e viajar ao lado de seu ídolo. A seguir, volte no tempo e conheça mais sobre este e outros assuntos, desvendando os maiores segredos do Xou da Xuxa!

Não tem como negar: Xuxa marcou toda uma geração. E, apesar de já ter começado a trabalhar com o público infantil na Rede Manchete, poucos anos antes, foi na Globo que ela se tornou uma das mais importantes figuras da televisão.

Isso se deu com o Xou da Xuxa, programa que durou quase uma década, gerando filmes, gibi, turnês, discos e outras centenas de produtos licenciados, além de moldar um padrão para programas infantis por muito tempo. Tendo estreado em 30 de junho de 1986, a atração foi exibida até 31 de dezembro de 1992 e marcou a fase de ouro da apresentadora.

Pensando nisso, resolvi publicar esta raridade, retirada de um "Globo Repórter" especial com a artista, exibido no ano de 1987. No documentário, apresentado por Pedro Bial, podemos acompanhar os bastidores do infantil. Acompanhe, na reportagem, a rotina das gravações, as mães que acompanhavam os filhos no show, a atuação de Marlene Mattos e as paquitas, além do segredo por trás da Nave Xuxa (o principal elemento daquele marcante cenário, criado por uma equipe da qual Mauricio de Sousa fez parte).

Veja o vídeo a seguir:



A título de curiosidade, fique a seguir com um bônus: a nave em ação duas vezes, quando Xuxa era recebida de volta das férias por Sérgio Mallandro. Para quem não lembra, em algumas temporadas, Mallandro foi o substituto da loira em suas folgas (tornando, na minha opinião, o programa muito melhor e mais divertido, ou talvez mais interessante para meninos).

Assista um exemplo da parceria no player abaixo:



Para ser sincero, eu nunca fui fã da apresentadora (motivo pelo qual, talvez, acabo não escrevendo muito sobre esta). Porém, não tem como negar seu sucesso durante as décadas de 80 e 90. Por isso, fiz este post! E você, gostava do Xou da Xuxa? Quais são suas lembranças? Comente!

Confira o nosso espaço no Facebook! Para acessar, clique aqui ou no banner abaixo:

Read more...
Related Posts with Thumbnails

  © Free Blogger Templates Spain by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP